Como conseguir o que quero: é simples, mas não é fácil

Os vídeos do TED são sempre uma fonte de inspiração.
Desta vez, fui surpreendida pela talk da Mel Robbins - F---YOu how to stop screwing yourself over, onde explica porque é que é tão simples - mas nada fácil - conseguir o que realmente queremos da vida.

photo credit: Sinéad McKeown via photopin cc



Em primeiro lugar, sem surpresa, é preciso definir o que queremos.
Já sabemos o que é. Não tem que ser bonito, não tem que ser poético, não tem que soar bem aos ouvidos dos outros. Tem que ser genuino e motivador para nós.

Depois, conseguir o que queremos é simples. Mas não é fácil. Porquê?

O conceito mais interessante desta talk é a Energia de Activação:  um termo científico que explica porque é tão difícil sair da cama de manhã.
A Energia de Activação é, em termos científicos, a energia mínima que é necessário colocar num sistema químico para obter uma reacção.

Na nossa vida, é a força necessária para fazer o que quer que seja, que esteja fora da rotina do dia a dia. Como ter mais meia hora por dia.

Com tanta coisa para fazer, tantos projectos para conhecer, tanta gente para falar e um tempo limitado nesta terra, porque é que queremos sempre mais cinco minutos na cama?

A energia necessária para começarmos a caminhar na direcção do que queremos, é exactamente a mesma força necessária para nos fazer levantar da cama meia hora mais cedo; a energia necessária para sair de uma cama quente, para um quarto frio.
Façam  o favor de ler este parágrafo duas vezes e deixá-lo entranhar bem no cérebro.

Se quisermos ter uma noção clara do tamanho dessa força, basta colocar o despertador para tocar 30 minutos mais cedo amanhã. E quando ele tocar, empurrar os lençóis para trás, levantar e observar a força necessária que nos levou a agir.

O obstáculo seguinte é que ninguém nos avisou que a partir dos 18 aos nós somos os nossos prórprios pais. Já não temos quem nos obrigue a fazer o que não queremos. Por isso a motivação, a energia tem que vir de nós próprios.

Temos que nos forçar a fazer o que é preciso para obter o que queremos. Mesmo que seja parar uma coisa má para começar uma coisa boa, será um esforço, uma luta. Tudo o que seja quebrar com a nossa rotina, temos que nos forçar a fazê-lo.

É a rotina que nos mata.

"Vai-te Forçar!"

De acordo com a Mel, esta energia é precisa em 3 aspectos diferentes. É preciso um esforço para:

1. sairmos da nossa cabeça (calar o crítico interno que começa a desbocar impropérios quando decidimos arriscar. A Mel diz que nunca seriamos amigos de alguém que nos falasse como nós falamos connosco próprios);

2. libertarmo-nos dos nossos sentimentos (não vale a pena ficar à espera da altura em que vai apetecer começar a ir ao ginásio todos os dias. Essa altura nunca vai chegar. Nunca!);

3. sairmos da nossa zona de conforto (que não significa necessáriamente correr riscos, mas apenas sair de casa, sair do sofá e interagir com o mundo lá fora)

A Regra dos 5 segundos

Normalmente, o problema não é a falta de ideias, mas a falta de acção.
Vamos a um evento qualquer, daqueles bons, que nos inspiram, e as ideias começam a borbulhar e a surgir quase que umas às cavalitas das outras. Falar com este, escrever aquilo, começar aqueloutro...

Se quando temos um impulso para fazer algo não agirmos (fazer algo físico) nos 5 segundos seguintes, o nosso cérebro vai puxar o travão de emergência e não vamos fazer nada.
Nunca.
Porque não vai apetecer.

Se nos dá o impulso de falarmos com aquela pessoa, de nos apresentarmos a alguém que não conhecemos, de falar com o orador que nos inspirou, temos que o fazer nos 5 segundos a seguir. S-e-g-u-n-d-o-s

Vamos agir nestes impulsos!
A Mel garante que iremos ficar surpreendidos com os resultados.




2 comentários:

  1. Bem verdade, sermos os principais responsáveis por nós pode ajudar-nos a sermos melhores versões ou sermos, de facto, o nosso pior inimigo. Gostei muito das sugestões :) (escrevi nos 5 segundos a ter lido, para não perder a motivação :D )!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Obrigada Isabel.
      Fica então comprovado científicamente que a regra dos 5 segundos é válida :)

      Eliminar