Trabalhar no estrangeiro

Um sonho comum a muita gente é o de ir trabalhar "lá para fora".
Agora que virou moda, recomendação ministerial e imposição de sobrevivência e/ou de carreira, aqui ficam algumas dicas da minha experiência sobre como arranjar emprego no estrangeiro.

Photo Credit: modenadude via Compfight cc



1. Clarifica o que queres fazer e onde
As únicas vezes que consegui trabalhar no estrangeiro, foi quando tinha muito claro aquilo que queria fazer e até onde - geográficamente - estava disposta a ir.

Há muita gente migrante neste mundo, e o que nos pode parecer mais fácil - encontrar emprego lá fora - pode tornar-se numa tarefa frustrante, uma vez que apesar da oferta ser maior, também a concorrência o é.

- Qual a área profissional?
- Qual o modelo de trabalho?
- Qual o país?

A postura de "qualquer coisa serve" nunca é uma boa atitude na procura de um emprego e nesta situação específica, ainda menos.


2. Pesquisa, pesquisa, pesquisa
Há imensos recursos online o que, mais uma vez, é bom e mau ao mesmo tempo: a informação quase de certeza que existe algures na wwweb, mas pode ser difícil encontrá-la.

Por exemplo, eu queria ter uma experiência de voluntariado internacional, num país em vias de desenvolvimento, não queria que me pagassem, mas também não queria pagar pela experiência. Demorei cerca de 10 anos a encontrar uma agência que cumprisse estes requisitos!

OK, eu ainda sou do tempo em que não se usava a internet por tudo e por nada (eu ainda sou do tempo em que não se usavam computadores, mas isso são outras confissões). Acho que nos dias de hoje não teria demorado tanto tempo, mas sei que tentar encontrar o que se quer pode ser quase procurar uma agulha num monte de agulhas (ou seja, encontra-se o que é parecido, mas não é bem aquilo).


3. Usa as ferramentas que tens ao teu dispor
Ainda recentemente (sem me pedirem...) ofereci conselhos sobre encontrar emprego em Londres.

Esta é uma cidade complicada, já que há quem procure trabalhadores com London experience... ou seja, só se consegue trabalhar lá se já se tiver trabalhado lá...

Uma boa maneira de conseguir distinção entre os outros peixinhos neste mar de gente, pode ser através de competências únicas, como o domínio do português.
Para isso, existem agências específicas com uma forte componente linguística (apesar de não tratarem de arranjar apenas empregos a escritores, tradutores e professores de idiomas).

Os sites que aconselho são:
http://www.multilingualvacancies.com/
permite pesquisar trabalhos de acordo com a língua na qual se é fluente (para além do Inglês)

http://www.monster.co.uk/
que disponibiliza pesquisa só no Reino Unido ou no mundo inteiro

http://www.manpower.com/
que há uns anos começava o processo de recrutamento para empresas como a Google

http://www.eurobrussels.com/
muito vocacionado para áreas relacionadas com a União Europeia e suas 1001 organizações associadas. Extremamente competitivo

Eures
a rede europeia de emprego; quando usei esta plataforma, achei que o motor de busca deixava muito a desejar, mas dá uma boa perspectiva das oportunidades que existem

http://manda-te.com/
uma recente descoberta. Um sitezinho português recheado de ofertas e notícias de emprego internacional


4. Insiste, insiste, insiste
Como todas as pesquisas de emprego, este pode ser um processo bastante frustrante, pela dimensão do público-alvo, que é muito maior que o nacional e também pelo elevado volume de concorrentes com quem teremos que lidar.

Mais uma vez, convém cumprir com a máxima básica da pesquisa de emprego e candidatar-se apenas às posições para as quais se tem os devidos requisitos, senão depressa se ficará com a sensação de enviar 1000 CVs para receber 0 respostas.

Deixo estes avisos não para cortar as pernas logo à partida dos que querem entrar nesta aventura, mas antes porque acredito que sabendo que o percurso é longo e demorado, estaremos melhor preparados para lidar com as frustrações que irão ocorrendo.
Podemos responder "È normal!" em vez que "Que raio tenho eu de mal que ninguém me quer?"
Não desistir!

Obrigada por terem chegado ao fim do post :)
Se o acharam útil, divulguem-no no Facebook ou no Twitter!
E obrigada pelos comentários.

Sem comentários:

Enviar um comentário