A Decoração e o Auto-Conhecimento

Eu nem me importo de esperar nos consultórios, desde que haja revistas.
A escolha das magazines em cima da mesa da sala de espera, permite ter uma ideia de quem frequenta aquele espaço e de quem o abastece com material de leitura.
A espera antes da consulta, é uma excelente oportunidade de recuperar as leituras em atraso da Maria, Nova Gente, Cosmopolitan e outros mananciais informativos nacionais.

Mas há salas de espera e salas de espera.
No outro dia, num destes momentos de espera/leitura veio parar-me às mãos uma Psychologies espanhola, com um destaque na capa sobre decoração.

Confesso que à primeira me foi um bocadinho difícil fazer a ligação entre Psicologia e Decoração, mas este dossier especial, falava muito sobre a casa/lar:

  • o que procuramos nela;
  • o que encontramos;
  • como podemos torná-la mais confortável
Havia uma imagem, com um pequeno destaque no canto, que me chamou a atenção (perdão pela foto, mas nem o telefone, nem a luz da sala, nem a posição ajudaram...)

"O modo como organizamos e decoramos a nossa casa, é o reflexo fiel de como vivemos a vida"

Veio-me logo à ideia a tendência que tenho, e que me dizem vir da minha avó materna, de andar sempre a mudar a casa (ou a fazer planos para isso: E se o escritório passasse para o quarto e o quarto para o escritório?)

Uma das grandes dificuldades que a auto-análise tem, é precisamente a dificuldade de sermos objectivos connosco próprios. Porque somos muitos complicados complexos, porque conseguimos justificar o sim e o não para cada caso, porque a vida dos outros é que é fácil de analisar, catalogar e resolver.

Ora esta perpectiva de podermos olhar para algo tão objectivo e palpável como seja a decoração e organização da nossa casa e daí retirarmos ilações sobre como estamos a viver a nossa vida, parece-me uma pequena ajuda para superar a falta de objectividade na auto-análise.

É claro que também nos pode encher de um nervoso miudinho da próxima vez que passarmos a ombreira da porta, como se para qualquer canto que olhemos uma revelção assustadora nos salte à consciência...!

Então e como é a minha casa/vida?
Precisa de uma análise mais aprofundada, mas assim à primeira:
  • é vintage restaurada, com um charme muito próprio
  • cheia de luz e pêlo de cão
  • com muita cor (há uma divisão que tem uma parede de cada cor)
  • desarrumada
  • a precisar de uns pequenos grandes ajustes para ficar mais apresentável
  • cheia de orquídeas e almofadas (ou seja, exótica e confortável, claro!)
  • sempre em estado de potencial mudança
  • onde não cabe toda a gente da minha vida, mas com potencial para se arranjar espaço
  • muito fotogénica :)






E a tua, como é?

2 comentários:

  1. Olá Teresa! Conheci-a num dos workshops da Cidade das Profissões. Adoro este Post! Gostaria de fazer um convite para publicar este post no meu blog Organizar com Ligia Noia ( que estará disponível em breve), mas pode sempre espreitar o meu trabalho em https://www.facebook.com/pages/Organizar-com-Ligia-Noia/1490658574507566?ref=hl

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ligia! Obrigada pelo seu comentário. Claro que pode publicar o post no seu blog. Será uma óptima maneira de termos visitas cruzadas :) Envie-me depois o link para o divulgar no Facebook e na nossa newsletter (já se inscreveu para a receber?)
      Aproveito para lhe deixar o link de uma das minhas organizadoras preferidas https://www.youtube.com/user/HomeOrganizing
      Fico a aguadar o seu envio!

      Eliminar